Secretaria de Estado da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer e Braskem apresentam

1a Bienal de Dramaturgia Qorpo-Santo  - Triunfo RS

B

 

 

 

 

 

 

Ensiqlopedia

Ensiqlopedia

 

 

 

 
 

 

 

 

 

 

 

 

Em quanto a sociedade brasileira, mais especificamente a carioca, deliciava-se com as inocentes comédias de Martins Pena, Joaquim Manuel de Macedo e Artur Azevedo e na Europa os teatros estavam lotados para assistir a peça A Dama das Camélias, de Alexandre Dumas Filho, em um século XIX de dramaturgia dominante, bem-comportada e que previa constantemente a vitória da moral burguesa no final dos textos dramáticos. Em Porto Alegre o professor José Joaquim de Campos Leão (19-04-1829 – Brasil, Rio Grande do Sul, Triunfo – 01-05-1883 Brasil, Rio Grande do Sul, Porto Alegre), escrevia intensamente um conjunto de textos teatrais que, envolviam adultério, violência e homossexualidade, além de escandalizar os textos apontava traços do que, anos depois, seria conhecido como surrealismo.  

 

José Joaquim Campos Leão, professor e vereador que nasceu em 1829, em Porto Alegre, manteve uma vida pacata até atingir os 34 anos, no entanto alterações no comportamento levaram-no a ser acusado na justiça de alienação. Enviado ao centro do país para exames, foi considerado apenas um homem com uma "exaltação cerebral", que o tornava um escritor compulsivo. Campos Leão passou acreditar que estava imbuído de uma missão divina, o que o convenceu a escolher o apelido de Qorpo-Santo e resolveu adotar uma reforma ortográfica própria, eliminando letras consideradas inúteis (ph, y, w e c cedilhado) e trocas (o q no lugar do x, como em seqso). Os indícios de loucura, provocaram-lhe uma atividade fulminante a ponto de produzir 17 peças. Em 1866, em apenas cinco meses, escreveu a sua dramaturgia. Sendo que essa obra foi publicada apenas em 1877, quando Qorpo-Santo fundou uma tipografia e publicou a Ensiqlopéida, uma obra em nove volumes. 

 

Seus livros e textos foram destinados à destruição e ao esquecimento, mas algumas raridades foram parar nas mãos de colecionadores particulares, possibilitando o seu renascimento artístico já na década de 60 do século XX. As suas obras possuem uma forma de carpintaria teatral distinta: despreza convenções, privilegia a irreverência e a arbitrariedade, seus personagens mudam de nome ao longo das cenas, não respondem uns aos outros, atos não são atos, cenas não são cenas e o fim da encenação não é necessariamente um ponto final da ação, mas uma interrupção arbitrária do autor. A liberdade verbal dos personagens de seus textos, perturbam a compreensão do público. Eles tentam se afirmar no território movediço de uma organização social incompreensível e injusta, são indivíduos à beira de um colapso existencial tentando se reconstituir na precariedade de nossos juízos.

 

José Joaquim Campos Leão, o Qorpo-Santo, morreu em 1883 desconhecido, mas deixou uma dramaturgia transgressora que renasce em um momento muito particular de acensão da dramaturgia brasileira contemporânea e é nesse contexto que nasce a 1a. Bienal de Dramaturgia Qorpo-Santo na cidade de Triunfo no Rio Grande do Sul.

Biografia
José Joaquim de Campos Leão (Triunfo RS 1829 - Porto Alegre RS 1883). Autor. Qorpo-Santo escreve sua obra teatral no século XIX, mas suas peças só são encenadas a partir da década de 1960. Uma boa parte da crítica teatral brasileira do período o considera precursor do Teatro do Absurdo. Antes de produzir sua obra literária, Qorpo-Santo trabalha como comerciante e professor. Também exerce as atividades de vereador e delegado de polícia na cidade de Alegrete, Rio Grande do Sul. Começa a escrever para jornais do estado do Rio Grande do Sul no ano de 1852. Por volta de 1864, o dramaturgo começa a sofrer de alucinações, o que o leva a ser internado e examinado por médicos no Rio Grande do Sul e no Rio de Janeiro. É desse período conturbado a maior parte de seus trabalhos. Em 1877, Qorpo-Santo cria a própria tipografia. Edita sua Ensiqlopédia ou Seis Mezes de Huma Enfermidade, obra em nove volumes, que reúnem poemas, confissões, receitas culinárias, máximas e suas dezessete peças teatrais. A grafia ensiqlopédia surge de uma reforma ortográfica proposta pelo autor. Dessa reforma é que também surge a grafia para o seu nome literário: Qorpo-Santo. Sua obra dramática é considerada inovadora para o Brasil do século XIX. Comparando as peças de Qorpo-Santo com as de outros dramaturgos da época, como Martins Pena e José de Alencar, o autor inova tanto na forma como no conteúdo algo incomum para o teatro brasileiro da época. Além disso, ele usa imagens surreais, como a de personagens que perdem partes do corpo no decorrer da peça. O caráter estranho do teatro qorpo-santense faz com que suas peças fiquem esquecidas entre o fim do século XIX e a primeira metade do XX, não sendo conhecida nenhuma montagem de qualquer uma delas nesse período. Qorpo-Santo morre em 1883, sem nenhum reconhecimento do valor de sua obra. É a partir da década de 1950 que os volumes da Ensiqlopédia passam a ser lidos com atenção pelo jornalista Aníbal Damasceno Ferreira. Em 1955, Ferreira e o diretor teatral Antônio Carlos de Sena publicam poemas da autoria de Qorpo-Santo. Sena encena Qorpo-Santo e viaja para o Rio de Janeiro, em 1968. Essa encenação possibilita à dramaturgia de Qorpo-Santo receber o aval do crítico teatral Yan Michalski. A partir desse momento as peças e poemas de Qorpo-Santo recebem diversas encenações, e o autor passa ser objeto de pesquisas acadêmicas.